Hipnose / Hipnoterapia


Podemos dizer que a hipnose é um estado de consciência alterada, semelhante ao "transe", durante o qual o indivíduo sente um profundo relaxamento físico e emocional.

Este estado de transe hipnótico é um estado de concentração profunda e absoluta, durante o qual o paciente foca toda a sua atenção no que lhe é dito, mantendo-se sempre consciente, nunca perdendo a sua compostura nem fazendo nada contra a sua vontade. Na verdade, ninguém pode ser induzido num estado de hipnose contra a sua vontade. A pessoa permite-se ser guiada pelo estado de hipnose e permanece sempre com o controlo da situação.

O paciente pode sair do estado de hipnose a qualquer momento. O hipnoterapeuta guia o paciente através de um estado de profundo relaxamento para aceder à sua mente.

Neste estado o paciente não está condicionado pelas inibições que normalmente o impedem de aceder aos seus pensamentos e sentimentos interiores. Se não quiser revelar coisas que são privadas não o fará. Na verdade, o que se verifica é o contrário: em estado de hipnose todos os cinco sentidos estão mais alerta.

A Hipnoterapia só trata quem  realmente deseja tratar-se, ninguém pode ser "hipnotizado" contra vontade visto que toda a hipnose é um processo de auto-hipnose, toda a sugestão é auto-sugestão. Trata-se de um processo seguro, neurológico, que nada tem de magia ou de imposição da vontade do terapeuta sobre o paciente. 

A Hipnose Terapêutica  é uma ferramenta através da qual o hipnoterapeuta conduz o paciente a ajudar-se a si próprio e a alcançar uma maior e melhor qualidade de vida.

Através do relaxamento progressivo, o paciente atinge um estado de consciência  mais profunda, mantendo, no entanto, a sua mente  num estado de alerta relativamente ao que se vai passando consigo próprio e à sua volta. O nível da consciência é acalmado entrando  num estado alfa (aquele que se atinge imediatamente antes de adormecer), permitindo o contacto e a ligação com o seu subconsciente. Sendo este o repositório de todas as informações e factos sobre a(s) nossa(s) vida(s) e a origem das nossas reacções psicossomáticas às mesmas, é a ele que o terapeuta o ajuda a aceder, e através de sugestões  consegue,  em cerca de 90% dos casos, alterar os resultados negativos dessas reacções.

A Hipnoterapia consegue uma grande taxa de sucesso nos tratamentos de estados emocionais, ocasionais ou crónicos, como medos, ansiedade, fobias, anorexia, bulimia e vícios.

Obtém igualmente óptimos resultados no tratamento de ansiedade, ataques de pânico, stress e tensão emocional causadores de tantos problemas físicos e psíquicos,  através da terapia de descontracção muscular e  psicológica.

DEFINIÇÃO DE HIPNOSE DA AMERICAN PSYCHOLOGICAL ASSOCIATION (Divisão 30 - Society of Psychological Hypnosis-, 2004)

“Habitualmente, a hipnose comporta uma introdução ao procedimento durante a qual se diz a um sujeito que se apresentarão sugestões de experiências imaginativas. A indução hipnótica é uma sugestão, extensa e ampla para usar a própria imaginação, que se dá no começo (inicial), e que pode incluir maiores detalhes (elaborações) da introdução.Utiliza-se um procedimento hipnótico para fomentar e avaliar respostas às sugestões.

Ao usar a hipnose, uma pessoa (o sujeito) é guiado por outra (o hipnotizador) para que responda às sugestões de mudanças na experiência subjectiva, alterações na percepção, sensação, emoção, pensamento ou conduta. As pessoas podem aprender também auto-hipnose, que é o acto de administrar procedimentos hipnóticos a si mesmo. Se o sujeito responde às sugestões hipnóticas, geralmente infere-se que se induziu uma hipnose.

Muitos crêem que as respostas e experiências hipnóticas são características de um estado hipnótico. Ainda que alguns pensem que não faz falta usar a palavra “hipnose” como uma parte da indução hipnótica, outros vêm-na como essencial.

Os detalhes dos procedimentos e sugestões hipnóticas diferem segundo os objectivos de quem a pratique e dos propósitos da tarefa clínica ou de investigação que se tenta realizar.

Tradicionalmente, os procedimentos incluem sugestões para relaxar, ainda que a relaxação não seja uma parte necessária para a hipnose, podendo-se usar uma ampla variedade de sugestões, incluindo as sugestões de alerta. Tanto nos âmbitos clínicos como de investigação podem-se usar sugestões que permitam avaliar o alcance da hipnose, comparando as respostas com escalas estandardizadas. Se bem que a maioria dos sujeitos possa responder, pelo menos, a algumas sugestões, as pontuações das escalas devem abarcar uma amplitude que oscile desde o elevado ao insignificante.

Tradicionalmente, as pontuações agrupam-se nas categorias de baixa, média e alta.Tal como ocorre com outras medidas de constructos psicológicos, como a atenção, a probabilidade de alcançar a hipnose aumenta com a pontuação do indivíduo.”

Na terapia regressiva, tratam-se as emoções e sentimentos relativos a factos ocorridos nesta vida ou em passadas  e que provoquem reacções psicossomáticas na vida presente. Contudo há que destacar que a maioria dos casos têm a sua causa nesta vida, em factos ocorridos na infância e que entretanto foram como que “esquecidos” pela nossa mente, mas que permanecem no nosso subconsciente.

INDICAÇÕES:

-Ansiedade

-Depressão

-Stress

-Crises de Pânico

-Traumas

-Medos e fobias

-Luto e Perda

-Controlo e gestão da dor física

-Doenças Psicossomáticas (psoríase, urticária nervosa, etc)

-Doenças Neuro-degenerativas (Fibromialgia, artrite reumatóide, etc.)

-Controlo de adições (tabaco, álcool, drogas)

-Perturbações alimentares (anorexia, bulimia, compulsão)

-Preparação para o Parto

A primeira sessão tem uma duração aproximada entre uma hora e meia e duas horas. As sessões seguintes têm uma duração de cerca de uma hora a uma hora e meia.

Valores Consultas e Tratamentos específicos - entrar em contacto.

           

​© Cristina Fernandes